RAPIDINHAS

Exposição de François Truffaut chega ao MIS

A exposição Truffaut: Um Cineasta Apaixonado abriu para o público nesta terça-feira, 14 de julho, no Museu da Imagem e do Som (MIS), em São Paulo. O cineasta francês é um dos expoentes da nouvelle vague e um dos nomes mais emblemáticos do cinema do século XX.

Seu trabalho é fortemente marcado pela figura feminina, tanto em personagens de presença marcante, como a vivida por Catherine Deneuve, em A Sereia do Mississipi (1969), quanto pelo fascínio que seu universo causava no protagonista, como em O Homem que Amava as Mulheres (1977), ou pelo apelo psicológico materno, como na obra de estreia Os Incompreendidos (1959).

IMG 0446 500x375 - Exposição de François Truffaut chega ao MIS
Foto: Camila Rocha

Muitas das caracterizações e das cenas desses longas se tornaram antológicas. Até mesmo a figura de Jean Seberg, com cabelos curtinhos, vestindo uma camiseta com o logo do jornal New York Herald Tribune, em O Acossado (1960), filme de Jean-Luc Godard para o qual fez o roteiro, entrou para a história do cinema e tornou-se ícone de estilo e símbolo de uma época. Ambos diretores retratavam a burguesia e o estilo de vida da época de forma realista, com cortes secos, figurino próximo ao que se vestia nas ruas, configurando a tal da nouvelle vague. Mas, a obra de Truffaut também traz aspectos de caráter social, como a distopia Fahrenheit 451 (1966), ou a dramaturgia de época de O Último Metrô (1980). Sobre seu trabalho, dizia: “Quero que meus filmes deem a impressão de terem sido rodados com 40 graus de febre”.

Aliás, a mostra, que na França foi organizada de forma cronológica, no MIS é apresentada por meio de sua cinematografia. O eixo é a carreira como cineasta, mas as funções que o francês assumiu ao longo do caminho não são deixadas de lado. Pouco antes de rodar o primeiro filme, trabalhou como repórter de celebridades e crítico – ferrenho – de cinema, produzindo mais de mil resenhas em apenas cinco anos. Ao entrar para o mundo da sétima arte, chegou a redigir press releases  – documentos que podemos ver na exposição. Truffaut buscava cuidar de suas obras do começo ao fim, assumindo até mesmo o lado comercial. Isso, sem contar suas atribuições oficiais de produtor, roteirista e ator.

303 Jean Pierre Léaud e Truffaut no set de Domicílio conjugal @Pierre Zucca 500x350 - Exposição de François Truffaut chega ao MIS
Jean Pierre Léaud e Truffaut no set de Domicílio conjugal – Foto: Pierre Zucca

O curador da Cinemateca Francesa, Serge Toubiana, onde a mostra foi criada e exibida anteriormente, explicou que o lado artístico do cineasta todos conhecem, mas seus segredos e diversas facetas, podem ser vistos nos detalhes, nos pormenores de documentos e fotos. Uma resenha sobre Stanley Kubrick, uma entrevista com Alfred Hitchcock, fotos de bastidores em que Godard aparece no cantinho, são exemplos.

IMG 0456 500x375 - Exposição de François Truffaut chega ao MIS
Foto: Camila Rocha

Apesar de montada de forma que permite alguma experiência sensorial e interativa, esta é uma exposição bem menos convidativa nestes termos do que outras que o MIS já trouxe, como as de Kubrick e David Bowie. O sabor especial está nos detalhes, na observação do registro histórico de documentos – e saber um pouco de francês pode ajudar nessa fruição. São mais de 600 itens, como desenhos, fotos, objetos, livros, revistas e roteiros com anotações, além de trechos de filmes e entrevistas do diretor. Todas as peças foram doadas à Cinemateca Francesa pela família do cineasta. O material, mantido pela família de Truffaut, é incrivelmente rico e reflete a obsessão que ele tinha em guardar tudo. Entrar em contato com tanto de sua vida particular é fundamental para entender seu trabalho, uma vez que muito do que se vê nas telas, reflete o que o cineasta viveu ou gostou.

IMG 0458 500x375 - Exposição de François Truffaut chega ao MIS
Foto: Camila Rocha

Depois de Paris, São Paulo é a segunda cidade a receber a exposição, que conta ainda com uma programação paralela de cursos e exibição de filmes, que pode ser conferida no site do MIS.

TRUFFAUT: UM CINEASTA APAIXONADO
De 14 de julho a 18 de outubro de 2015
Horário: terças a sábado, das 12h às 21h; domingos e feriados, das 11h às 20h
Local: Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 10. Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado.
Ingresso: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). À venda somente na bilheteria do MIS a partir de 15 de julho. Terças-feiras entrada gratuita.
Ingressos antecipados: R$16,00 e R$8,00 [meia entrada] Venda antecipada exclusiva pelo site www.ingressorapido.com.br
Classificação etária livre

Compartilhe!
Camila Rocha
the authorCamila Rocha
Jornalista que já se enveredou por diversas áreas na comunicação, hoje também é consultora de estilo. Adora a vida urbana e multifacetada de São Paulo e tenta cada vez mais conhecer os diferentes aspectos da vida na capital. Estar atenta e aberta a tudo o que acontece no fervilhante cenário cultural da cidade é essencial para seu trabalho, assim como fundamental para seu desenvolvimento pessoal. Compartilhar tudo o que de interessante encontrar é apenas uma consequência. E dona do blog Ninguém Perguntou

Deixe uma resposta