CURIOSIDADES

LENDAS URBANAS: A Maldição de Mariporã

A lenda urbana de hoje sai da capital paulista, mas não vai muito longe. O palco da história real que se transformou em uma narrativa que é passada de pai para filho é Mariporã, cidade da Região Metropolitana de São Paulo. Tudo gira em torno de um padre, bastante simples, que atacava verbalmente os coronéis da cidade e causava a rebeldia do povo, que era explorado e não tinha seus problemas sociais resolvidos. A razão era atribuída aos coronéis, que acabaram mandando matar o vigário, amaldiçoando toda a cidade. Para entender o que aconteceu nessa época e no que o fato interfere até hoje, basta continuar lendo sobre a Maldição de Mariporã.

A história
A maldição foi lançada no início do século 20. O padre da cidade defendia os direitos da população com todas as suas forças. Muitas pessoas sofriam maus-tratos constantes, além de exploração de diversas formas por parte dos coronéis, incluindo mulheres e crianças de todas as idades. Em seus discursos na Igreja e nas ruas da cidade, o vigário intimidava aqueles que governavam a cidade e fazia com que os pobres ficassem revoltados e lutassem pelos seus direitos. Com isso, as pessoas passavam a encarar seus patrões, se tornando inimigos do modo de vida da sociedade naquela época e desejando cada vez mais mudanças. Os humildes se tornaram fãs do padre.

Cansados de tanta relutância da população, os coronéis se uniram e organizaram um sequestro, que seria seguido de espancamento do homem, com o objetivo de que ele fosse humilhado e aprendesse sua lição. O pedido de morte só não foi feito porque, naquela época, acreditava-se que mandar matar um padre traria muito azar àquelas terras, o que foi dito e feito.

mairipora2 - LENDAS URBANAS: A Maldição de Mariporã

Os capangas exageraram e acabaram deixando o homem desacordado enquanto o espancavam. O padre foi amarrado e colocado dentro de um saco e levado para o alto da Serra da Cantareira. Infelizmente, o padre que já era bastante velho não aguentaria a dor pelos ferimentos em seu corpo. Entretanto, antes que a morte chegasse, ele conseguiu sair do saco e andar até o centro. Quando alcançou sua capela, rogou uma praga à cidade com ódio do que havia lhe acontecido por tentar ajudar um povo que só lhe fez mal. Mariporã não sairia da maldição, enquanto não nascer um religioso filho do município. O padre foi encontrado morto na escadaria no dia seguinte.

Como se sabe, até hoje a cidade tem muitos problemas e não consegue progresso de forma alguma, seja por parte da população ou dos governantes. A maldição de Mariporã teria dado certo? Há quem diga que sim, porque até hoje não nasceu nenhum homem que quisesse ser padre na cidade e acabar com a praga. Aqueles que realizam as missas são naturais de cidades vizinhas. Há quem diga que ainda é possível ver o espírito do padre rondando a cidade, para ter certeza de que a população nunca seja perdoada.

Compartilhe!
Redação SP City
Um projeto que tem a cara de São Paulo :)

5 Comentários

Deixe uma resposta