DICASSP ANTIGO & MODERNOUncategorized

Do Baruel ao Barça – o que os une?

Uma história de várias facetas.

Você se lembra do talco Tenys Pé Baruel? Parece coisa da sua vó? Pois bem, em janeiro deste ano, o Tenys Pé Baruel se tornou o talco oficial do Barcelona Futebol Clube. E há quatro anos, a empresa Baruel também patrocina a Seleção Brasileira e o Neymar, que é também o porta-voz oficial da marca.

A Baruel é uma empresa brasileira fundada em 1892 no setor de cosméticos de higiene pessoal e sua principal marca é a Tenys Pé Baruel. Tudo começou com Francisco Antônio Baruel, que era alferes, ou seja, um subalterno cadete que provavelmente era porta-bandeira do exército e que, em 1852, adquiriu terras na zona norte da cidade, onde hoje estão as ruas Conselheiro Moreira de Barros e Voluntários da Pátria, em Santana. Nesta chácara era produzido arroz, feijão, milho e cana através do trabalho de 30 escravos.

Segundo a empresa: “Francisco Antônio Baruel era agricultor, criador de animais, fabricante de farinha e telhas e proprietário de fazendas.  Teve cinco filhos com a esposa Ana Maria da Conceição, dentre eles se destacou Francisco Nicolau Baruel, que herdou a propriedade após a morte de seu pai.”

O Palacete Baruel

Acordo Baruel2 500x355 - Do Baruel ao Barça - o que os une?

O filho, Francisco Nicolau Baruel, foi farmacêutico, empresário, vereador municipal e tornou-se um homem rico, que construiu mansões, como o Palacete Baruel, em 1879, em estilo normando é hoje considerado um patrimônio histórico.

Em 1892, Francisco Nicolau fundou a Farmácia Baruel, também conhecida como Casa Baruel, localizada no centro da cidade de São Paulo. A empresa afirma que “inicialmente atuando no ramo farmacêutico, a Casa Baruel evoluiu para o setor de higiene doméstica, higiene pessoal e cosméticos”, desenvolvendo o Tenys Pé Baruel.

Nesta época, na chácara, aconteciam concursos chamados de bezerril, feitos pelos alunos da Faculdade de Direito da USP para disputar quem consumia mais leite num só gole.

Em 1928, o palacete foi desapropriado para ser o Palácio de Verão do Governo do Estado. Mas vejam a ironia, a desapropriação foi cancelada, pois o Governo não possuía o valor estabelecido para o projeto, devolvendo os imóveis à família Baruel. Tempos depois o palacete foi um orfanato dirigido por Pérola Byington e uma clínica fisioterápica.

Biblioteca Narbal Fontes

Atualmente, a casa que era de D. Maria, filha dos Baruel, é uma biblioteca pública, a Narbal Fontes. Você conhece? Ocupa área de 1 450 metros quadrados, sendo circundada por um jardim com muitas árvores e bancos. O seu acervo é de aproximadamente 31 mil exemplares, a maioria infanto-juvenis. Além de empréstimo de livros, revistas e outros materiais, são promovidos eventos culturais como encontro com escritores, exposições, cursos, oficinas e palestras e o prédio é circundado por um jardim com bancos.

450px Biblioteca Narbal Fontes2 - Do Baruel ao Barça - o que os une?
Foto: Peter Louiz

BIBLIOTECA NARBAL FONTES

Rua Conselheiro Moreira de Barros, 170 – Santana.

Horário: 2ª a 6ª feira das 9h às 18h e sábado das 9h às 16h.

Visita monitorada e outras atividades
Destinada às escolas, instituições, grupos e demais pessoas interessadas em conhecer a Biblioteca. É necessário agendamento prévio.

Compartilhe!
Luciana Cotrim
the authorLuciana Cotrim
Paulistana até a alma, nasceu no Hospital Matarazzo, no coração de São Paulo. Passou parte da vida entre as festas da igreja Nossa Senhora Achiropita, os desfiles da Escola de Samba Vai-Vai e as baladas da 13 de maio no bairro da Bela Vista, para os mais íntimos, o Bixiga. Estudou no Sumaré, trabalhou na Berrini e hoje mora em Moema. Gosta de explorar a história e atualidades de São Paulo e escreveu um livro chamado “Ponte Estaiada – construção de sentidos para São Paulo” resultado de seu mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC. É consultora em planejamento de comunicação e professora de pós-graduação no Senac.

Deixe uma resposta