RAPIDINHAS

O Centro ganhou grafites gigantes

Aconteceu em outubro/15 o O.bra Festival no coração de São Paulo com curadoria do Instagrafite. Além do festival ter transformado o Largo do Arouche em um espaço de convivência durante o final de semana do evento, deixou também um legado de 10 murais gigantes em toda a região central de São Paulo realizados pelos maiores grafiteiros do Brasil e do mundo. Cada grafiteiro convidado chamou um colega para colaborar com o mural e assim foi durante 20 dias, sobre plataformas aéreas e laterais enormes e cinzas de prédios da região central, a nossa cidade ficou mais colorida e a reflexão sobre a nossa realidade tomou agora proporções muito maiores.

Os temas escolhidos pelos artistas conversam com a cidade de São Paulo. O mural de Inti + Alexis Diaz (acima) localizado ao lado da Praça das Artes foi inspirado no nome do local, Anhangabaú, nome dado pelos índios tupis que significa “água de mau espírito”.

IMG 4143 500x401 - O Centro ganhou grafites gigantes
Speto + 2501 | Interesni Kazki | Jaz + Conor Harrington

Os murais de Herakut + MCity expõem a violência e o envolvimento das crianças com armas e a perda da infância, convidando-nos à reflexão com o gigante mural e com a frase “Ninguém é tão pequeno que não possa ser importante. Então, me ajude a fazer o melhor que eu posso, aonde eu estou, com o que eu tenho.”

IMG 4136 500x497 - O Centro ganhou grafites gigantes
Herakut + MCity na Avenida Prestes Maia

Há 3 murais localizados em uma área não turística da cidade, uma região esquecida por ser próxima da cracolândia, e os incríveis murais de Jaz + Conor Harrington, Vitché + Jan Kaláb e Tinho + Carlos Vergara + Sipros apresentam elementos da nossa história, do nosso povo e da realidade brasileira, esses murais vão elevar a auto-estima dos moradores e da região, que atualmente passa por problemas sociais sérios que não podem ser esquecidos.

IMG 3823 2 500x317 - O Centro ganhou grafites gigantes
Tinho + Sipros + Carlos Vergara na Rua Guaianazes

A arte de rua surgiu da vontade de criar um diálogo com a cidade e os seus transeuntes, da necessidade de protestar por meio de letras e desenhos e de ocupar a rua com arte. São Paulo é considerada a capital mundial do grafite, e por que temos esse título? São Paulo tem muitos problemas, sociais principalmente, o grafite e a pichação são gritos para fazer com que as pessoas pensem, reflitam, admirem e mudem o seu mundo interior e consequentemente a sua própria cidade. Cada um de nós tem o poder nas mãos de mudar, começando por sua família, seu bairro, seu trabalho, sua forma de se relacionar com a cidade e com as pessoas. A cor do grafite traz esperança de uma cidade com mais amor e menos desigualdades.

IMG 4146 500x477 - O Centro ganhou grafites gigantes
Hebert Baglione | Vitché + Jan Kaláb | Binho + Suiko

Tour a pé realizado durante o O.bra Festival pela Streets of São Paulo.

Compartilhe!
Luana Pires Fernandes
Paulistana, tradutora, professora e guia de turismo de São Paulo, decidiu que reclamar da cidade não era mais uma opção e quis mostrar a todos o lado bom de Sampa por meio do perfil @ilovesaopaulo no Instagram, cujo objetivo é apresentar um olhar otimista da cidade e levar as pessoas para turistar. Ama arte e a cultura brasileira, seu sonho é que todos possam ser felizes onde moram e valorizem a sua própria cultura. Planeja e conduz os Tours Oficiais da Galeria do Rock.

11 Comentários

Deixe uma resposta