CuriosidadesSP Antigo & Moderno

Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida

João dente e grande avenida2 1 - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida

A história de hoje é do palacete de João Dente, que se localizava na Avenida Paulista, 55 na numeração do início do século passado, e do edifício Grande Avenida, que muitos de vocês devem conhecer ou lembrar.

Nascido em 6 de dezembro de 1880, filho de Pedro Gonçalves Dente e Fortunata Eugenia da Cruz Dente, João Gonçalves Dente formou-se na Faculdade de Direito em 1895, tornando-se advogado criminalista, com escritório na Rua Direita e posteriormente Rua São Bento, no centro de São Paulo. Foi promotor público e, no início da carreira, fez parte, muitas vezes, do jurado do Tribunal do Juri e, vejam só, sendo inclusive chegou a ser multado multado por ausência em algumas sessões.

Seu pai, Pedro, foi figura ilustre da época, tendo sido Oficial de Gabinete da Secretaria dos Negócios da Justiça e Segurança Pública e Contador do Tesouro Provincial da Província de São Paulo, tendo inclusive, em 1889, conseguido uma licença com prazo indefinido para cuidar da saúde. Ficou eternizado em pintura de Almeida Júnior realizada em 1892.

Pedro Gonçalves Dente - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Título da Obra: Pedro Gonçalves Dente, autoria de Almeida Júnior, de 1892.

Seu filho, João Dente também era grande investidor no mercado imobiliário. Casou-se em 27 de março de 1897 com Maria Gertrudes de Faria, oriunda do município de Queluz, região em que sua família cultivava café em fazenda de grande extensão. O livro Cidade: impasses e perspectivas, organizado por Maria Lúcia de Gitahy, conta que, apesar de Dente vir de família abastada,

“segundo seu neto, Carlos Pompeo, o capital aplicado na Moóca e no Cambuci, veio em parte daí”.

Descreve ainda sobre a moradia da família: O casal morou no distrito da Consolação, mudando-se, em seguida, para a recém-aberta Avenida Paulista. O palacete ficava entre as Ruas Augusta e Peixoto Gomide e foi projetado pelos arquitetos Augusto Toledo e Luiz Pinto em 1920. Posteriormente, após sua separação, Dente mudou-se para uma casa na Vila América. Em 1930, na lista telefônica, aparece apenas o nome da ex-mulher como proprietária do local.

Avenida Paulista nº 22 Mansão de João Dente déc. 1900 - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
1918 – Vista exterior do palacete do advogado João Dente, situada à Avenida Paulista nº 55. Revista “A Cigarra“, edição 1918 disponível no Arquivo Público do Estado de São Paulo.

Uma descrição muito interessante da decoração de alguns ambientes da casa dele é proposta no livro Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material –São Paulo, 1870 – 1920, publicado pela Editora da USP, de autoria de Vânia Carneiro de Carvalho. No livro a autora analisa o mobiliário utilizado nas residências da época a partir da perspectiva do gênero humano – masculino e feminino – e sua força e influência na decoração da casa. Vejam na figura abaixo a página do livro a e análise detalhada dos ambientes da casa de João Dente.

Texto. livro genero e artefacto jpg - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Livro – Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material –São Paulo, 1870 – 1920 de autoria de Vânia Carneiro de Carvalho, páginas 124 e 125.
Salão Nobre da residência de João Dente - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Salão Nobre da residência de João Dente na avenida Paulista 55. Fotografia publicada na coluna “Vivendas Paulistanas” na Revista “A Cigarra”, em agosto de 1918
Sala de Jantar da Residência do Sr. João Dente - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Sala de Jantar da Residência de João Dente. Fotografado por José Pereira Lima, que ganhou um prêmio na Série Interiores da Revista Cigarra, em fevereiro de 1919.

Como um grande investidor, João Dente tinha muitas aquisições no mercado imobiliário, que abrangiam uma grande área da cidade, além da Moóca e Cambuci, como Sé, Santa Efigênia, Consolação e, em especial, a Vila América, onde se localizava a Avenida Paulista.

Na própria Avenida Paulista adquiriu um grande terreno de Horácio Sabino, onde construiu 5 residências para aluguel. Em 1912, o investidor solicitou a Vitor Dubugras o projeto para 3 casas na Paulista esquina com a Rua Augusta e mais duas menores de frente para a Rua Augusta.

João Dente - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
A maior casa do conjunto de 5 casas projetas por Victor Dubugras em 1912.
5 casas joão dente2 - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Conjunto de casas para aluguel de propriedade de João Dente. Livro: Victor Dubugras, percursor da arquitetura moderna na América Latina – Editora da USP – 2005.

planta - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida

Posteriormente solicitou ao arquiteto Victor Dubugras mais um projeto de 2 casas geminadas na própria Rua Augusta. No projeto verificamos a seguinte descrição: Vilas do Dr. João DenteRua Augusta – entre Paulista e Al. Santos.

Além dessas construções, João Dente levantou diversos imóveis nas ruas Cel. Cintra e Conselheiro João Alfredo na região da Moóca. Casas destinadas ao aluguel, cujo público-alvo eram os funcionários da fábrica da Antarctica.

Grande investidor como era, João Dente fez incursões em outras áreas.  Comprou em 1915 o imóvel e o jornal “A Gazeta” que, depois de várias tentativas de administrar a publicação, percebeu, após dois anos, que não tinha vocação para o jornalismo e se desfez do negócio.

Casou-se, pela segunda vez, com Clelia Benini Rinaudo, com a qual teve três filhas: Jeanette, Clelia e Maria Antonietta. Em 27 de agosto de 1939 faleceu em sua casa na Rua Colômbia, no Jardim América.

Por meio de análise de mapas pressupomos que hoje no terreno da mansão está em seu lugar o Edifício Grande Avenida, que fica localizado na Av. Paulista, 1754, a cerca de 50 metros da rua Peixoto Gomide.

O edifício foi projetado pelo arquiteto Lucjan Korngold e construído pela Stan Empreendimentos, teve sua construção iniciada em 1962 e concluída em 1966.

Grande Avenida Staffa - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Edifício Grande Avenida, o cinza no meio da imagem. Foto Staffa, 2014

Atualmente o prédio abriga empresas como Coteminas (MMartan/ Artex/ Santista), Stratura Asfaltos, Consulado Geral Da Suíça, ABIMAPI (Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados), filial da Watch Time, assistência técnica de relógios de alto luxo e, coincidentemente (ou não!), o GTPS (Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável), a ABAG (Associação Brasileira do Agronegócio) e a empresa Produquímica.

Existem três episódios que marcaram a história do Grande Avenida.

O edifício foi palco de dois incêndios, sendo o primeiro, sem grandes proporções, em 13 de janeiro de 1969, porém, e o segundo foi um incêndio que foi noticiado em todo o mundo.

Em 14 de fevereiro de 1981, um sábado de Carnaval, o fogo iniciado na sobreloja do edifício, destruiu todos os andares do prédio, deixando 17 mortos e 53 feridos. A maioria das pessoas, eram funcionários da Construtora Figueiredo Ferraz, e estavam com um projeto atrasado, que deveria ser apresentado na quinta-feira, depois do Carnaval.

IncGrandeAv2 - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida

incendio - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Imagens do incêndio no Grande Avenida, com bombeiros salvando pessoas. Fotos: folhapress

O acontecimento parou a cidade e o Brasil. Além das viaturas do Corpo de Bombeiros, transeuntes socorriam as vitimas, helicópteros particulares pousaram no MASP, na área do vão livre, para ajudar. Pessoas ali presentes escreveram com cal no asfalto: Calma! Calma!

Dos 23 andares que o Edifício Grande Avenida possui, apenas os últimos três não foram totalmente destruídos pelas chamas. Nestes andares ficavam localizadas três grandes agências bancárias, muitas salas e escritórios comerciais, além da torre de transmissão da TV Record que teve sua programação automaticamente interrompida.

O terceiro episódio que, no mínimo é muito estranho aconteceu em 9 de março de 2013. Uma mulher deixou um crânio na entrada do prédio da avenida Paulista.

spcraniopaulistafut3 - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida
Segundo a PM, o crânio estava dentro do Grande Avenida, Foto: J. Duran Machfee / Futura Press

Nas imagens, feitas por uma câmera de segurança, a mulher chega com uma sacola e observa a entrada do edifício. Em seguida, embrulha algo e depois retira da sacola um objeto redondo enrolado em um tecido vermelho, entra no prédio, deixa o artefato no chão e sai do edifício. O vídeo intitulado “Imagens mostram mulher deixando crânio em prédio em SP” pode ser visto aqui.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida

Não são só os palacetes antigos nos premiam com histórias significantes, os edifícios atuais também carregam narrativas interessantes que são parte da nossa cultura e da Grande Avenida que é a Paulista!

Semana que vem tem mais…Até lá!

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da mansão de João Dente ao Grande Avenida

Paulistana até a alma, nasceu no Hospital Matarazzo, no coração de São Paulo. Passou parte da vida entre as festas da igreja Nossa Senhora Achiropita, os desfiles da Escola de Samba Vai-Vai e as baladas da 13 de maio no bairro da Bela Vista, para os mais íntimos, o Bixiga. Estudou no Sumaré, trabalhou na Berrini e hoje mora em Moema. Gosta de explorar a história e atualidades de São Paulo e escreveu um livro chamado “Ponte Estaiada – construção de sentidos para São Paulo” resultado de seu mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC. É consultora em planejamento de comunicação e professora de pós-graduação no Senac.

Luciana Cotrim
the authorLuciana Cotrim
Paulistana até a alma, nasceu no Hospital Matarazzo, no coração de São Paulo. Passou parte da vida entre as festas da igreja Nossa Senhora Achiropita, os desfiles da Escola de Samba Vai-Vai e as baladas da 13 de maio no bairro da Bela Vista, para os mais íntimos, o Bixiga. Estudou no Sumaré, trabalhou na Berrini e hoje mora em Moema. Gosta de explorar a história e atualidades de São Paulo e escreveu um livro chamado “Ponte Estaiada – construção de sentidos para São Paulo” resultado de seu mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC. É consultora em planejamento de comunicação e professora de pós-graduação no Senac.

9 Comentários

Deixe uma resposta