Série Avenida Paulista: 60 casarões e 60 edifícios construindo histórias na Jornada do Patrimônio 2017.

Série Avenida Paulista: 60 casarões e 60 edifícios construindo histórias na Jornada do Patrimônio 2017.

Ontem foi um dia muito especial para a Série Avenida Paulista. Fizemos a primeira apresentação sobre a série e os casarões na Jornada do Patrimônio 2017.

O evento ocorreu na Casa das Rosas e, apesar da sala pequena, foi o melhor lugar para essa primeira apresentação, pois reflete a melhor prática de preservação do Patrimônio cultural. A casa de Ernesto Dias Castro, projetada por Ramos de Azevedo em 1930, convive com o edifício Parque Cultural Paulista. É o melhor exemplo de preservação da história e do patrimônio, dando espaço também para o progresso.

Gostaríamos muito de agradecer a presença de todos nessa primeira palestra . Foi um dia muito especial e ficamos muito felizes em saber que tem tanta gente interessada neste conteúdo.

Compartilhamos com vocês algumas fotos:

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: 60 casarões e 60 edifícios construindo histórias na Jornada do Patrimônio 2017.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: 60 casarões e 60 edifícios construindo histórias na Jornada do Patrimônio 2017.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: 60 casarões e 60 edifícios construindo histórias na Jornada do Patrimônio 2017.

Para quem não pode participar, compartilhamos um vídeo sobre a história da Avenida Paulista que mostra alguns trechos tratados na palestra.

Nosso muito obrigado a todos que compareceram e quem quiser acompanhar a história dos casarões semanalmente acesse nosso site aqui

Até o próximo domingo….

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: 60 casarões e 60 edifícios construindo histórias na Jornada do Patrimônio 2017.
Paulistana até a alma, nasceu no Hospital Matarazzo, no coração de São Paulo. Passou parte da vida entre as festas da igreja Nossa Senhora Achiropita, os desfiles da Escola de Samba Vai-Vai e as baladas da 13 de maio no bairro da Bela Vista, para os mais íntimos, o Bixiga. Estudou no Sumaré, trabalhou na Berrini e hoje mora em Moema. Gosta de explorar a história e atualidades de São Paulo e escreveu um livro chamado “Ponte Estaiada – construção de sentidos para São Paulo” resultado de seu mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC. É consultora em planejamento de comunicação e professora de pós-graduação no Senac.
  Acompanhe também as nossas redes sociais instagram e facebook

Leave a Reply

*