CULTURACURIOSIDADESSP ANTIGO & MODERNO

Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

A Série Avenida Paulista apresenta a moradia que estava localizada no antigo número 50 e atualmente no número 1895 da avenida, na esquina com a Rua Padre João Manuel.

Depois de mais de 70 histórias sobre os casarões e edifícios da avenida, está cada vez complicado conseguir imagens e dados sobre as construções, mas vamos ao que foi conseguido.

O primeiro registro que encontramos da Avenida Paulista, número 50 era de um “chauffer” (motorista particular) que morava nos fundos da casa que lá deveria existir. A primeira é uma notícia de que ele, chamado José Alves, com 30 anos, levou uma facada na Rua Formosa, e foi ferido gravemente, por causa de uma discussão com um amigo. O outro registro é de um chhauffer, com longa prática no Ford, se oferece, por preço módico, para guiar nos 3 dias do carnaval.

chauffer 1024x566 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

Depois disso, em um anúncio publicado no Estado de São Paulo, no dia 8 de janeiro de 1932, ficamos sabendo que o endereço virou um “Rink”. Olha que interessante, a cidade tinha vários ringues de patinação nesta época. Vejam os anúncios abaixo.

rink 1 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

Pelo jeito os paulistanos do começo do século passado gostavam de patinar.  E mais interessante é saber que tínhamos um “rink” de patinação na Avenida Paulista. Nosso amigo, Marcus Uchoa, criador do projeto de computação gráfica da Paulista, chamado  Janela da história, enviou uma foto do que, provavelmente, era o ringue de patinação da avenida.

associação viva paulista - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Foto: Associação Viva Paulista

Vejam que interessante a foto abaixo que mostra os fundadores do primeiro Rink de São Paulo (Henrique Normaton) em foto realizada por Militão Augusto de Azevedo.

patinadores 1 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

E abaixo o projeto arquitetônico com a fachada posterior do Skating Palace, que foi construído em 1911 na Praça da República, número 52, esquina com Rua Aurora. Reparem na beleza e no detalhamento do desenho que concentraria o rink de patinação e um cinematographo, solicitado pela Cia, Sport e Actracções.

rink aurora - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

Imaginamos que João Miguel Sanches tenha comprado o local no final dos anos 1930 e construído sua residência, que mostramos em toda sua pujança nas fotos a seguir.

37 moya sanches 1 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

 

11196345 661255100645118 870957700414412343 n - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Fachada da casa

João Miguel Sanches refez toda a construção. Para isso, contratou o escritório Moya & Malfatti, o projeto arquitetônico foi matéria da Revista Acrópole, especializada e reconhecida publicação da área de arquitetura.

Moya foi um arquiteto prestigiado da Semana de Arte de 22. Sylvia Ficher, no texto intitulado “Antonio Garcia Moya, um arquiteto da Semana de 22”, afirma que “Moya era mais afeito a um gótico de sabor italiano, como aquele que empregou na Residência João Miguel Sanches, à avenida Paulista”.

E, desta residência, temos fotografias de todos os ambientes da linda casa, as imagens de autoria de Leo Liberman, foram publicados na revista.

11196353 661255200645108 3888306133455499747 n - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Vista lateral da Rua Padre João Manuel
torre e coreto 1024x536 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Torre e coreto.
Detalhes dos jardins 1024x379 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Detalhes do jardim
Pateo interno 1024x392 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Pátio interno
hall de entrada - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Hall de entrada
sala de visitas - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Sala de visitas
sala de jantar e copa 1024x378 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Sala de jantar e copa
dormitorio 1024x710 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Hall superior, banheiro e dormitório do casal.

Linda e exuberante casa, não é mesmo? Mas pouco sabemos de seu proprietário, João Miguel Sanches. Conseguimos descobrir que, em 1934,  ele vendia “todo tipo e qualquer quantidade de sacaria de juta, em perfeito estado”, só que eram já usadas, que eram utilizadas para ensacar café e cereais e, também sacos de algodão brancos,  para açúcar, fubá, cal, etc.  Anunciava, como vemos abaixo, o seu depósito permanente que levava o seu nome, situado na Rua Paula Souza.  Portanto, anos antes da construção da casa.

sacaria - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

Outro negócio de João Miguel eram as cocheiras. Ele tinha 5  delas na Rua Miguel Mendes no bairro do  Carandiru. De sua família, verificamos que tinha 2 irmãos: Francisco e Antonio Sanches. Essas são todas as informações que conseguimos resgatar do proprietário desta imponente mansão da Avenida Paulista.

Neste mesmo local da avenida, mas com uma numeração diferente, de 1985, passou a ser 2001, encontra-se atualmente o Condomínio Edifico Barão de Itatiaya.

anuncio - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
O Estado de S.Paulo – 20/8/1970

O acervo do jornal O Estado de São Paulo publicou, em 6 de março de 2014, que “No ano em que o Brasil tornou-se tricampeão mundial de Futebol, ao vencer a Copa de 1970, o Conjunto Nacional, mais conhecido centro comercial da Avenida Paulista, ganhou um novo vizinho, o Edifício Barão de Itatiaya. Com 22 andares para conjuntos comerciais, o prédio foi incorporado e construído pela Gomes de Almeida Fernandes na altura do número 2001 da Avenida Paulista, esquina com a Rua Padre João Manoel”.

2 edificio barao itatiya 768x1024 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

Ficamos curiosos em saber porque o nome Barão de Itatiaya, consideramos eu poderia ser algum nobre da época imperial ou até de família quatrocentona. Pesquisamos e não conseguimos localizar nenhum Barão de Itatiaya. Será que foi invenção? Se alguém souber do paradeiro deste Barão, por favor, nos escreva… Verificamos que a palavra Itatiaia é de origem tupi e significa penhasco cheio de pontas, pedra pontuda. Um Barão com nome tupi? No mínimo é estranho…

luiz monforte 1991 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya
Foto: Luiz Monforte, 1991. Acervo – GALERIA Paulista 2001. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.

Além dos andares comerciais, o prédio conta com um centro comercial, chamado galeria 2001, com lojas – Arezzo, Closet Paulista, e bares, como All Bros. Risoteria, Grão Espresso, etc. A galeria tem acesso pelas duas ruas da esquina.

O edifício tem uma curiosidade muito interessante: recebeu o primeiro parklet da América Latina e é responsável por sua manutenção.

Em janeiro de 2016, o jornal O Estado de São Paulo, publicou a matéria intitulada “‘Minipraças’ avançam na capital, mas estão concentradas em bairros nobres”, que destacamos um trecho sobre o parklet do Edifício Barão de Itatiaya.

“Criados no Estado americano da Califórnia e introduzidos no Brasil pelo Instituto Mobilidade Verde, os parklets são frequentados mais de uma vez na semana por pessoas que trabalham na vizinhança e querem descansar. É o que mostram pesquisas feitas pela ONG em São Paulo.
No espaço localizado no cruzamento da Avenida Paulista com a Rua Padre João Manuel, o primeiro instalado na América Latina, a maioria dos usuários tem entre 19 e 40 anos de idade e aproveita o espaço para descansar. Outros usos relatados foram ler, comer, beber e encontrar amigos. Em média, estima-se que ao menos 300 pessoas passem pelo parklet por dia”.

15379490646 30c14f9550 k 1024x700 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

O equipamento da Avenida Paulista, que é mantido pela administradora do Edifício Barão de Itatiaya, foi aberto em abril de 2014. De lá para cá, parte de sua estrutura já foi trocada em função de atos de vandalismo. O espaço atual está sempre cheio de turistas, pessoas que trabalham na região e moradores da área.

a parkletzv2 - Série Avenida Paulista: Rink, família Sanches e Barão de Itatiaya

Para a comerciante Dolores Peixoto, de 41 anos, o espaço é bastante convidativo para o descanso e tem outros benefícios. “É ótimo ter essa opção na cidade. Isso sem falar que tiramos duas vagas de carro das ruas. Viu como não faz falta?”

Vamos lá? Até o próximo domingo…

 

Compartilhe!
Luciana Cotrim
the authorLuciana Cotrim
Paulistana até a alma, nasceu no Hospital Matarazzo, no coração de São Paulo. Passou parte da vida entre as festas da igreja Nossa Senhora Achiropita, os desfiles da Escola de Samba Vai-Vai e as baladas da 13 de maio no bairro da Bela Vista, para os mais íntimos, o Bixiga. Estudou no Sumaré, trabalhou na Berrini e hoje mora em Moema. Gosta de explorar a história e atualidades de São Paulo e escreveu um livro chamado “Ponte Estaiada – construção de sentidos para São Paulo” resultado de seu mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC. É consultora em planejamento de comunicação e professora de pós-graduação no Senac.

1 comentário

  • Olá Luciana, a professora Lília Katri Moritz em sua obra, “As barbas do Imperador”, esclarece que a regra geral dos títulos da nobreza brasileira era a concessão de títulos ligados ao indigenismo histórico e romântico. Para esclarecimento e comprovação vale a leitura do livro do antepassado da Dona Martha Suplicy: “Archivo Nobiliarchico Brasileiro”. Quanto ao barão de Itatiaya, ele existiu sim. Seu nome era Dom José Caetano Rodrigues Horta (25 de abril de 1825 — 26 de setembro de 1900), primeiro e único barão e depois visconde de Itatiaia _ a palavra perdeu o y após a reforma ortográfica de 1943_, foi um latifundiário e político brasileiro. Ele era sobrinho de Dona Florisbela, dama da sociedade mineira que, supostamente teve uma filha com dom Pedro I: Dona Inácia Carolina. O neto do visconde de Itatiaya, Dom Pedro de Alcântara Taques Horta se casou com Dona Clarisse d’Escragnolle Taunay, neta do escritor Visconde de Taunay. Recentemente conheci o advogado Dr. Paulo Taunay Perez, descendente dos dois viscondes por essa genealogia. Abraço

Deixe uma resposta