DICASRAPIDINHAS

Museu Louvre – Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

O Edifício Louvre, que fica na Avenida São Luis, 192, foi projetado pelo paulistano João Artacho Jurado na década de 1950. Construído em um terreno de grandes proporções, com cerca de 70 metros de frente e blocos. Possui 25 andares e, no topo uma área aberta de lazer com piscina, onde se pode desfrutar a magnífica paisagem urbana de São Paulo. O prédio foi tombado em 1992 pelo CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio).

img 6028 500x377 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

O Edifício Louvre nasceu para ser imponente e receber a sociedade paulistana da época. No térreo e do mezanino foram planejadas áreas para um grande restaurante e casa de chá, mas que não saíram do papel. A área virou um centro comercial com várias lojas, algumas muito antigas e outras supermodernas, como um espaço de coworking, uma loja de velas e um atelier de design de interiores.

img 6042 500x374 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

Com suas pastilhas azul e rosa da fachada, típicas da arquitetura de Artacho Jurado, o prédio é revestido de mármore no chão e nos diversos pilares e a escada rolante foi uma das primeiras em prédios comerciais de São Paulo, retomando o requinte francês.

img 4448 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

Seu nome foi inspirado no Museu do Louvre, criado em 1793 em Paris e cada bloco recebeu o nome de um pintor importante da História da Arte: Da Vinci, Rembrandt, Velázquez e Renoir. O hall de entrada de um dos prédios exibe uma reprodução da Monalisa.

Porém, o bloco dos fundos fugiu à regra: foi nomeado de Pedro Américo, nome bem brasileiro que não aparece registrado no espaço. Desta confluência surgiu a ideia para o nome da exposição: o Museu do Louvre Pau-Brazyl surge da relação entre esses dois Louvres – o francês e o brasileiro.

giphy 500x354 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

Com a curadoria de Jéssica Varrichio e Guilherme Giufrida, o objetivo da exposição é ocupar o edifício com diversos projetos artísticos como os de Burle Marx, Cao Guimarães, Cibelle Cavalli Bastos, Cinza, Coletivo Filé de Peixe, Guía San Pablo, Laura Vinci, Maurício Ianês, Mos, Pazé, Rafael Rg, Rochelle Costi, Sandra Gamarra, Teat(r)o Oficina Universidade Antropófoga, Tuca Vieira e Yuri Firmeza.

Cursos e visitas guiadas pela exposição e performances, acontecerão até o dia 14 de outubro, quando se encerra a exposição.

Vejam o vídeo e algumas imagens da exposição

img 6020 e1474863871392 500x375 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado
Intitulada Reunião de Condomínio, a obra foi realizada com objetos encontrados no edifício.
img 6067 e1474864087399 500x375 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado
Imagens de obras de pintores franceses sobrepostas nas colunas de mármore do edifício.
img 6061 e1474864020121 500x375 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado
Uma fumaça enche a sala comercial todas os dias às 17 hs.

img 6060 e1474863790712 500x375 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

img 6018 e1474863523463 500x666 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado
Escrivaninha recuperada no edifício, trabalhada com as pastilhas de Vidrotil que Artacho fazia as fachadas de seus projetos. Dentro um prédio móvel.

img 6073 500x679 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

img 6079 e1474864623153 500x666 - Museu Louvre - Pau-Brazyl no Edíficio de Artacho Jurado

Edifício Louvre – Mezanino
Avenida São Luís 192 – República, São Paulo
Funcionamento: seg. a sex. 8h às 18h

Compartilhe!
Luciana Cotrim
the authorLuciana Cotrim
Paulistana até a alma, nasceu no Hospital Matarazzo, no coração de São Paulo. Passou parte da vida entre as festas da igreja Nossa Senhora Achiropita, os desfiles da Escola de Samba Vai-Vai e as baladas da 13 de maio no bairro da Bela Vista, para os mais íntimos, o Bixiga. Estudou no Sumaré, trabalhou na Berrini e hoje mora em Moema. Gosta de explorar a história e atualidades de São Paulo e escreveu um livro chamado “Ponte Estaiada – construção de sentidos para São Paulo” resultado de seu mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC. É consultora em planejamento de comunicação e professora de pós-graduação no Senac.

Deixe uma resposta