Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Nesta semana apresentaremos na Série Avenida Paulista a casa que foi de Thomas Muir, localizada no número 110 da avenida, onde hoje se encontra a Torre João Salem, quase esquina com a Alameda Campinas.

Para esta história contamos com a fotografia clicada no início dos anos 1980 por Walter   Hernandez Trujillo, que pertence a uma coleção de fotos feitas por ele dos casarões da Paulista nessa época, antes da demolição de muitos deles, inclusive dessa casa da história.yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Thomas Ballantine Muir era filho de William Muir e Martha White, nasceu em 1869 em West Linton Peebles, na Escócia.  Veio para o Brasil e viveu em São Paulo até sua morte, em dezembro de 1933.

Trabalhou por muitos anos na área financeira. Em 1901 já era gerente do London & Brasilian Bank e, ainda, passou muitos anos no Banco Comercial do Estado de São Paulo, onde construiu uma carreira, chegando a ser seu vice-presidente.

Na vida social, fundou em 11 de fevereiro de 1924, junto com mais 18 escoceses a The St. Andrew Society do Estado de São Paulo. Essa reunião aconteceu em sua casa na Avenida Paulista. Ele foi escolhido como presidente da organização. A entidade foi criada para reunir os imigrantes escoceses e para promover a cultura e o patrimônio escocês em São Paulo.

Obtivemos poucas informações sobre sua vida, e sobre a casa da Paulista, concluímos que ela foi alugada por um extenso período para ser o Consulado Alemão no Brasil. A casa foi uma das primeiras a ser construídas na Avenida Paulista. Em 1902, ela aparece em uma das fotos famosas de Gaensly.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

A casa é a segunda, do lado esquerdo, no postal com a foto de 1902 de Guilherme Gaensly.

O primeiro registro que temos que a casa foi o Consulado Alemão data de 1909 por notícia de uma cerimônia realizada lá para comemorar o 50º aniversário do imperador alemão Guilherme II, que foi oferecida pelo cônsul Carl Flügel. No ano seguinte o cônsul foi embora e leiloou todos os objetos da casa, ricamente descritos como podemos ver no anúncio abaixo.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Parte do anúncio publicado no jornal Correio Paulistano em 27 de setembro de 1910.

O seu sucessor foi o cônsul James von der Hayde que, foi bastante influente em São Paulo no período em que esteve no cargo. Em 1911, o telefone residencial do cônsul, já aparece em seu nome na lista telefônica, publicada nos jornais da época.

Von der Hayde permaneceu com cônsul de São Paulo até a sua cassação, em abril de 1917, quando retornou ao seu pais de origem por causa do rompimento do Brasil com a Alemanha na Primeira Guerra Mundial.

A casa da Paulista foi entregue a seu proprietário, Thomas Muir, que foi morar lá. Vimos notícias que, em 1919 e 1922, um conhecido empreiteiro, chamado Manuel Asson, fez reformas aumentando a casa e construindo uma garagem.  Em 1933, existe o registro de 2 automóveis, um da marca Oackland e outro Chrysler, pertencentes ao proprietário, registrados no endereço.

Não sabemos até quando permaneceu na casa ou quando a vendeu. Sabemos que, depois de 80 anos, a casa foi demolida na crise que ocorreu em 1984, quando vários casarões vieram ao chão por conta da ameaça de tombamento.

Nesta época, a casa pertencia a família Schahin. Lá moravam Abdo e Michel Schahin, Michel Raad e Linda Schahin Raad, filha do proprietário, que justificou a demolição por ser uma casa de construção antiga, que havia “riscos de danos físicos e materiais a terceiros que por ventura passassem no local, que se situa em zona de grande movimento de pedestres e veículos”, conforme publicado em 11 de junho de 1984, no jornal o Estado de S. Paulo. Pena, não é mesmo??

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

A casa em 2 momentos: à esquerda, em 1902 e, 80 anos depois, em 1884, na foto à direita. (Fotos: Gaensly e o Estado de S. Paulo)

Em anúncio de falecimento de sua mãe, em setembro de 1960, pudemos constatar duas informações interessantes: a primeira é que a família já morava lá nesta data, e a outra, que a família se uniu por um casamento à duas outras famílias de origem árabe – os Abdala e os Lotaif, que também tinham casas na Avenida Paulista (veja a história dos Abdalla aqui e dos Lotaif aqui)

O Comendador Abdo Schahin nasceu em 1913 e faleceu em 1974.  No final da década de 40 e início de 50, ele aparece como diretor financeiro da Companhia de Tecidos Schahin e vice-presidente da Tecelagem Regina, que tinham no board todos membros da família, Taufic, Miguel e Cairalla. Em 1950, seu nome aparece na direção da Fiação e Tecelagem Nadja, nome em homenagem a mãe e, como acionista, na LAR – Companhia Textil.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Abdo foi tesoureiro do Club Homs na década de 1940 e conhecido como benemérito de várias instituições. A família investiu em negócios diversificados, nos anos 50 até na construção de uma sala de cinema: o Cine Paris. Mais recentemente, descendentes atuam em outros segmentos, como o Banco Schahin, que foi vendido para o BMG em 2010 e o a Holding Schahim, um conglomerado que atua na área de petróleo, engenharia, gás, etc, cujos diretores estão envolvidos na Operação Lava Jato, como tantas outras empresas destes segmentos.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Foto: arcoweb

Novamente, não sabemos em que época a casa foi comprada, nem quando foi vendida. Sabemos que, atualmente no terreno, encontra-se a Torre João Salem, que foi inaugurada em dezembro de 2008, no número 1.079 da Avenida Paulista. Com sua arquitetura imponente, o projeto é do arquiteto Jorge Munif Abussamra e a construção da empresa Gattaz Engenharia.

A primeira curiosidade que se apresentou era se esse Sr. João Salem tinha alguma relação com a família de Nagib Salem, que também tinha um palacete na Avenida Paulista. (Se quiser conhecer a história clique aqui). E talvez até com a Schahin. Carlos Eduardo, que nos forneceu as informações sobre a família Salem, comentou que o João Salem  de sua família era tio de seu pai, irmão de seu avô Nagib Salem e, que ele, João, era pai de William Salem, prefeito de São Paulo de janeiro a julho de 1955. Será que esse João é o mesmo que batiza o prédio? Quem sabe, …

Não conseguimos verificar essas relações, mas vimos que o Ser. Milton Gattaz, diretor presidente da construtora do prédio tem parentes e antepassados da família Salem e, que João Salem, que nomeia o edifício, deve ser o patriarca da família.

O edifício comercial chama a atenção pelo estilo dado à fachada, em granito “branco Ceará” polido, de longa vida útil com vidro laminado. A transição da forma destaca o edifício na passagem da Avenida Paulista, intercalando revestimento de granito branco com a fachada no sistema GRID.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Foto: arcoweb

Heloisa Medeiros, na revista Finestra, na Edição 57, descreve o edifício:

Os dez andares inferiores formam uma caixa retangular assimétrica, marcada por grelhas escalonadas e revestidas com granito branco, que dialogam com a fachada similar do edifício do Citibank, situado do lado direito do terreno.

Sete andares dúplex, com fachada pele de vidro (sistema stick), deslocam-se para a esquerda. Essa torção em relação à caixa aproveita a vista livre, já que desse lado a construção vizinha, do banco Safra (já demolida), tem apenas dois andares. Assim, a complexa composição mescla grelhas e uma zona em pele de vidro na porção inferior do prédio à cortina de vidro contínua da parte superior.

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Foto: Ricardo Souza

O prédio conta com persianas com sistema de proteção solar inteligente que reduzem o gasto de energia elétrica, assim como a entrada de calor, controlando o excesso de luminosidade. Instalado com sistema de caixa Pocket, cujos mecanismos de acionamento são instalados dentro de uma caixa de alumínio, fixada no concreto durante a obra, antes do fechamento do forro. Um prédio moderno e sustentável.

O que vocês preferem? O casarão ou o edifício atual? Poderíamos ter a possibilidade de ter os dois, não é mesmo? Nos resta tentar recuperar o passado, para não se perder a nossa a história, viver o presente e, também, olhar para o futuro, com os edifícios inteligentes.

Páscoa representa o renascimento, e é isso que propomos. Feliz Páscoa a todos!

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem

Foto: Arcoweb

 

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - Série Avenida Paulista: da casa das famílias Muir e Schahin à Torre João Salem
Paulistana até a alma, nasceu no Hospital Matarazzo, no coração de São Paulo. Passou parte da vida entre as festas da igreja Nossa Senhora Achiropita, os desfiles da Escola de Samba Vai-Vai e as baladas da 13 de maio no bairro da Bela Vista, para os mais íntimos, o Bixiga. Estudou no Sumaré, trabalhou na Berrini e hoje mora em Moema. Gosta de explorar a história e atualidades de São Paulo e escreveu um livro chamado “Ponte Estaiada – construção de sentidos para São Paulo” resultado de seu mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC. É consultora em planejamento de comunicação e professora de pós-graduação no Senac.
  Acompanhe também as nossas redes sociais instagram e facebook

Leave a Reply

*